quarta-feira, 6 de junho de 2012

CBA


Desde a inauguração de sua Fábrica, em Alumínio, SP, em 1955, a Companhia Brasileira de Alumínio trilha uma trajetória de sucesso, marcada pelo pioneirismo, inovações tecnológicas e responsabilidade sócio-ambiental. Apresentando, ao longo de mais de 50 anos, um crescimento médio anual de 10%, é a segunda maior produtora brasileira do metal, com 475 mil toneladas/ano de alumínio primário.

Posicionada entre as maiores empresas mundiais do setor, é a maior planta do mundo a operar de forma totalmente verticalizada, realizando, num mesmo local, desde o processamento da bauxita até a fabricação de produtos (lingotes, tarugos, vergalhões, placas, bobinas, chapas, folhas, perfis, telhas e cabos).

Seus produtos são sinônimo de qualidade nos mercados nacional e internacional. Todos possuem, desde 1997, o certificado internacional de qualidade ISO 9001.

Além de ter uma forte atuação no mercado interno nos segmentos de construção civil, fios e cabos para transmissão de energia elétrica, embalagens, bens de consumo e transportes, a CBA destina cerca de 40% de sua produção para o mercado externo, principalmente para a América do Norte.

Dentre os diferenciais da CBA está a autogeração de energia elétrica, um dos principais e mais caros insumos empregados na fabricação de alumínio. Enquanto ela produz, no mínimo, 60% da energia elétrica que consome, por meio de suas 18 usinas hidrelétricas, a média mundial do setor é de 28%. Outro destaque é a auto-suficiência em bauxita, minério a partir do qual o alumínio é produzido, extraída de suas Unidades de Mineração em Itamarati de Minas e Poços de Caldas, ambos em Minas Gerais. Ainda há a Unidade de Mineração de Miraí que está em construção. Seu funcionamento está previsto para meados de 2007.

Com cerca de sete mil funcionários, a CBA mantém uma ampla rede de distribuição de seus produtos, que conta com 13 filiais instaladas pelo Brasil, um Escritório de Vendas, localizado em Fortaleza, CE, e um Terminal Marítimo no Porto de Santos.

Mineração

O Brasil é dono da terceira maior reserva mundial de bauxita e até o final da década de 70, a CBA só contava com jazidas do minério na região de Poços de Caldas. O grande empenho estratégico em pesquisar reservas do minério pelo País fez com que a Companhia adquirisse uma participação de 10% na Mineração Rio do Norte (MRN). Hoje, tem participação também em reservas no sudeste do Pará, na região de Paragominas e possui uma jazida de bauxita nos municípios de Cataguases e Itamarati de Minas, MG. Em 2007 será iniciada a exploração da jazida de Miraí, também no sudeste mineiro, que terá capacidade de produção de até quatro milhões de toneladas de bauxita.

Energia

A transformação da bauxita é feita por um processo de eletrólise e o consumo de energia elétrica corresponde a um terço de todos os custos de produção. Em 1954, a CBA iniciou a construção da primeira Usina Hidrelétrica, a UHE França, e desde então os investimentos em energia não pararam.

Nesses mais de 50 anos, a Empresa soube também crescer no mercado interno e externo. Com escritórios de distribuição em todo o Brasil, a CBA está presente em 14 cidades de dez estados brasileiros com 260 funcionários e 60 representantes comerciais. Suas filiais operam com 13 mil clientes e comercializam um terço do faturamento da CBA.

As práticas de gestão adotadas atualmente garantem o reinvestimento de seus lucros para melhoria da qualidade de seus produtos, no aprimoramento dos processos e no incremento da produtividade.