Portão em alumínio

O portão em alumínio garante um design moderno, segurança e durabilidade. Disponível em várias cores, modelos e preços. Venha conferir em nossa loja!

ACM

Apresenta como vantagem ótima planicidade e leveza, que permitem projetar em grandes modulações, aliadas a resistência, facilidade de manipulação, instalação e manutenção, garantindo grande economia nos custos globais.

Policarbonato

Em várias cores, as coberturas em policarbonato têm muitas vantagens em relação a outros materiais, as coberturas têm acabamento e estética que combinam com os ambientes, podendo ser combinado cores das coberturas a serem utilizadas de acordo com cada ambiente.

Ferragens

Ferragens para vidro temperado. Dobradiças, suportes, fechaduras, roldanas e puxadores.

Automatizadores RCG

Kit RCG deslizante, pivotante ou basculante; dimensionável para portões de diversas massas.

terça-feira, 3 de julho de 2012

DICAS PARA LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

Para que as esquadrias de sua edificação se mantenham como novas e em perfeito funcionamento por muitos anos, observe atentamente as seguintes recomendações quanto à limpeza, lubrificação e pinturas de parede.

.: Limpeza
.: Lubrificação
.: Proteção durante a pintura
Limpeza

1. A limpeza das esquadrias, como um todo, inclusive guarnições de borrachas e escovas, deverá ser feita com uma solução de água e detergente neutro, a 5%, com auxílio de esponja ou pano macios, nos seguintes intervalos de tempo:
- No mínimo, a cada 12 meses em zona urbana e rural
- No mínimo a cada 3 meses em zona marítima ou industrial.

2. As janelas e portas de correr exigem que seus trilhos inferiores sejam constantemente limpos, para se evitar o acúmulo de poeira, que, com o passar do tempo, vão se compactando pela ação de abrir e fechar, transformando-se em crostas de difícil remoção, ao mesmo tempo que comprometem o desempenho das roldanas exigindo sua troca precoce.

3. Não usar, em hipótese alguma, fórmulas de detergentes com saponáceos, esponjas de aço, de qualquer espécie, ou qualquer outro material abrasivo.

4. Não usar produtos ácidos ou alcalinos. Sua aplicação poderá manchar a anodização e tornar a pintura opaca.

5. Não utilizar objetos cortantes ou perfurantes para auxiliar na limpeza de "cantinhos" de difícil acesso. Esta operação poderá ser feita com o auxílio de um pincel de cerdas macias embebido na solução indicada no ítem 1.

6. Não usar produtos derivados de petróleo (vaselina, removedor, thiner etc.). O uso de tais produtos, num primeiro instante, pode deixar a superfície mais brilhante e bonita. Porém, em sua fórmula existem componentes que vão atrair partícula de poeira que agirão como abrasivo, reduzindo, em muito, a vida do acabamento superficial do alumínio. De outro lado, os derivados de petróleo, podem ressecar plásticos e borrachas, fazendo com que percam a sua ação vedadora.

Em caso de dúvida, antes de utilizar qualquer produto que possa por em risco a beleza e funcionamento de suas portas ou janelas, consulte o fabricante das esquadrias.
Lubrificação

Todas as articulações e roldanas trabalham sobre uma camada de náilon auto-lubrificante, razão porque dispensam qualquer tipo de graxa ou óleo. Estes produtos não devem ser aplicados às esquadrias, pois em sua composição poderá haver a presença de ácidos e outros aditivos não compatíveis com os materiais usados na fabricação das esquadrias.

Pintura de paredes

Antes de executar qualquer tipo de pintura, seja com utilização de tinta a óleo, látex ou cal, tomar o devido cuidado de proteger as esquadrias com fitas adesivas de PVC. Evite a utilização de fitas tipo "crepe". Esta fita costuma manchar a esquadria quando em contato prolongado.

Remover a fita protetora imediatamente após o término da pintura. Na composição de sua cola existem ácidos e produtos agressivos que em contato prolongado com as esquadrias podem danificá-las.

Caso haja contato da tinta com a esquadria, limpar imediatamente, enquanto fresca, com pano seco e em seguida com pano umedecido em solução de água e detergente neutro.

RECOMENDAÇÕES PARA UMA BOA ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO
Para todos os tipos de edificações, das mais complexas e sofisticadas àquelas mais simples e econômicas, o arquiteto deve estabelecer, objetivamente, o desempenho exigido das esquadrias, sob pena de instalar produtos não alinhados com os conceitos gerais de seu projeto e conviver com problemas de desempenho por muito tempo.

.: A valiosa experiência dos profissionais

.: O conhecimento das normas técnicas brasileiras

.: Assistência de um fabricante de esquadrias

.: Dicas para obter a melhor esquadria

.: Qualidade dos acessórios

.: Boa vedação garante desempenho

.: Exemplo de Projeto

As condições de desempenho devem ser registradas nas especificações de esquadrias que integram o caderno de encargos do empreendimento. Cientes das expectativas quanto aos seus produtos, os fabricantes de esquadrias interessados no fornecimento poderão desenvolver orçamentos adequados e oferecer sugestões, tanto ao arquiteto quanto ao construtor e ao empreendedor, que não só atendam às exigências, mas agreguem valor ao empreendimento.

A definição do nível de desempenho envolve muitos aspectos, que assumem maior ou menor importância em função do tipo de edificação. Alguns são qualitativos, como a aparência geral do conjunto, a aparência dos acessórios visíveis, o acabamento de superfície a ser utilizado, a maior ou menor facilidade de operação, de conservação e de manutenção. Outros referem-se à conformidade das esquadrias, que pode ser verificada por ensaios, como a estanqueidade à água e ao ar, o conforto térmico e acústico, o comportamento estrutural e outros.

Diversos pontos são relevantes no trabalho de especificação, mas três deles destacam-se: a própria experiência dos profissionais de arquitetura, o conhecimento de todas as normas brasileiras pertinentes e a assistência de um fabricante de esquadrias bem informado sobre os produtos disponíveis no mercado.

A valiosa experiência do arquiteto

A experiência do arquiteto vai determinar também que produtos não utilizar, em função de problemas enfrentados no passado. Profissionais preocupados com seus projetos verificam o desempenho dos produtos depois de instalados, comparam com o desempenho "prometido" e aprendem com os enganos cometidos.

Infelizmente é muito comum se encontrar esquadrias praticamente novas, com alguns meses de utilização, já apresentando problemas das mais diversas naturezas, sem que o arquiteto especificador e/ou o consumidor reclamem.
de:  http://www.perfilcm.com.br/2012/anodizacao.php?id=6

ANODIZAÇÃO

A anodização é um processo que produz nas ligas de alumínio uma película decorativa e protetora de alta qualidade, durabilidade e resistência à corrosão, cobrindo uma ampla gama de aplicações, algumas específicas, como anodização para fins arquitetônicos.

Conheça melhor as etapas deste processo, bem como as normas que controlam a Qualidade da Anodização:

.: Pré-tratamento - Mecânico / Químico
.: Camada Anódica
.: Coloração
.: Selagem
.: Qualidade da Anodização
Highslide JS
Highslide JSHighslide JSHighslide JS

Coloração

A porosidade da camada anódica, similar à estrutura do tecido de algodão, permite sua coloração por meio de dois processos:
- Coloração por imersão em anilinas orgânicas ou inorgânicas
- Coloração Eletrolítica, por eletrólise de sais de metais.
ImersãoEletrolítica
A coloração por imersão, com uso de anilinas é a mais empregada e recomendada para o acabamento do alumínio para uso interno decorativo, como é o caso de bens de consumo, frisos para eletrodomésticos em geral, molduras de quadros etc. Isto porque os corantes orgânicos em ambiente externo não suportam os raios ultravioleta (UV) do sol, havendo uma perda de cor muito acentuada.
A coloração eletrolítica, muito usada atualmente, consiste na obtenção de uma camada de óxido pelos métodos convencionais, com ácido sulfúrico e subsequente tratamento eletrolítico em uma solução levemente ácida de um sal de metal, com uso de corrente alternada.
Para a eletrocoloração do alumínio, utiliza-se sal de estanho como eletrólito, devido a sua alta resistência aos raios UV, que proporciona mais de 30 anos de durabilidade.


A = Bronze 1001/ B = Bronze 1002/ C = Bronze 1003/ D= Bronze 1004/ E = Bronze 1005/ F = Preto

Selagem

A selagem é a etapa mais importante e obrigatória do processo de anodização e coloração do alumínio, essencial para dar qualidade à camada anódica.

A selagem é responsável pela resistência à corrosão atmosférica, impedindo sua penetração pelos poros; bem como pela dureza e resistência à abrasão.

Atualmente, o processo de selagem é efetuado em duas etapas:
1º) O alumínio anodizado é imerso em uma solução, em temperatura ambiente, composta por Sais de Níquel e Sais de Flúor, que reagem formando um complexo gelatinoso nos poros da camada anódica de Alumínio-Flúor-Níquel.
2º) Após a lavagem em água corrente, a reação é acelerada pela passagem do alumínio anodizado em água desmineralizada a 60-70º Celsius.

Controle de Qualidade da Anodização

O controle de qualidade da anodização deve ser efetuado conforme as Normas Técnicas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas relacionadas a seguir:
NormaDescrição
NBR 12609
Tratamento de Superfície do Alumínio - Anodização para fins arquitetônicos.
NBR 12610
Determinação da espessura da camada anódica.
NBR 12612
Determinação da resistência da camada anódica ao intemperismo acelerado.
NBR 8094
Corrosão por névoa salina.
NBR 9243
Determinação da qualidade de selagem da anodização pelo método de perda de massa.
NBR 12613
Determinação da qualidade de selagem da anodização pelo método de absorção de corantes.
Classe de espessuras de camadas anódicas para aplicações exteriores/interiores
Classe*Espessura da camada anódica (micrômetro)Nível de AgressividadeAmbiente típico
A1311 a 15Baixa/MédiaUrbano/Rural
A1816 a 20AltaLitorâneo
A2321 a 25ExcessivaIndustrial/Marítimo
Notas: * Os números 13, 18 e 23 que sucedem a letra A identificam o valor médio da camada em micrômetros.
Para uma durabilidade de 30 anos em ambiente externo, recomenda-se uma limpeza anual da camada anódica com detergentes neutros.
Cuidados após o processo de Anodização
O alumínio é tido como um material nobre para uso em construção civil pelas suas características de leveza, beleza e facilidade de manutenção. Todavia, para que uma esquadria tenha apresentação e longevidade desejadas, torna-se necessária a conservação adequada através de limpeza com detergente neutro e material não abrasivo, com peridiocidade de um a seis meses, de acordo com o grau de sujidade do ambiente.

de: http://www.perfilcm.com.br/2012/anodizacao.php?id=1

segunda-feira, 18 de junho de 2012

RCG


Durante os dia 23 e 25 de Novembro de 2008, a cidade de Madri, na Espanha, foi palco da entrega do 22º Troféu Internacional Europa da Qualidade – New Millenium Award.

Estiveram no evento aproximadamente 200 empresários dos 5 continentes, todos premiados por serem em seus países, líderes no comércio e na Indústria.
Roberto Costa Gonzales foi convidado para receber o "22nd Trofeo International Europe Award For Quality", oferecido por Editorial Ofice e Trade Leaders' Club, pelo reconhecimento da trajetória e excelência nos negócios da RCG Tecnologia Eletromecânica Ltda, que possui uma dedicação constante com a melhoria e qualidade de seus produtos e serviços.
E assim, a RCG, mais uma vez, atesta sua liderança e fomenta suas relações internacionais, ampliando contatos comerciais diretos e indiretos .


quarta-feira, 6 de junho de 2012

CBA


Desde a inauguração de sua Fábrica, em Alumínio, SP, em 1955, a Companhia Brasileira de Alumínio trilha uma trajetória de sucesso, marcada pelo pioneirismo, inovações tecnológicas e responsabilidade sócio-ambiental. Apresentando, ao longo de mais de 50 anos, um crescimento médio anual de 10%, é a segunda maior produtora brasileira do metal, com 475 mil toneladas/ano de alumínio primário.

Posicionada entre as maiores empresas mundiais do setor, é a maior planta do mundo a operar de forma totalmente verticalizada, realizando, num mesmo local, desde o processamento da bauxita até a fabricação de produtos (lingotes, tarugos, vergalhões, placas, bobinas, chapas, folhas, perfis, telhas e cabos).

Seus produtos são sinônimo de qualidade nos mercados nacional e internacional. Todos possuem, desde 1997, o certificado internacional de qualidade ISO 9001.

Além de ter uma forte atuação no mercado interno nos segmentos de construção civil, fios e cabos para transmissão de energia elétrica, embalagens, bens de consumo e transportes, a CBA destina cerca de 40% de sua produção para o mercado externo, principalmente para a América do Norte.

Dentre os diferenciais da CBA está a autogeração de energia elétrica, um dos principais e mais caros insumos empregados na fabricação de alumínio. Enquanto ela produz, no mínimo, 60% da energia elétrica que consome, por meio de suas 18 usinas hidrelétricas, a média mundial do setor é de 28%. Outro destaque é a auto-suficiência em bauxita, minério a partir do qual o alumínio é produzido, extraída de suas Unidades de Mineração em Itamarati de Minas e Poços de Caldas, ambos em Minas Gerais. Ainda há a Unidade de Mineração de Miraí que está em construção. Seu funcionamento está previsto para meados de 2007.

Com cerca de sete mil funcionários, a CBA mantém uma ampla rede de distribuição de seus produtos, que conta com 13 filiais instaladas pelo Brasil, um Escritório de Vendas, localizado em Fortaleza, CE, e um Terminal Marítimo no Porto de Santos.

Mineração

O Brasil é dono da terceira maior reserva mundial de bauxita e até o final da década de 70, a CBA só contava com jazidas do minério na região de Poços de Caldas. O grande empenho estratégico em pesquisar reservas do minério pelo País fez com que a Companhia adquirisse uma participação de 10% na Mineração Rio do Norte (MRN). Hoje, tem participação também em reservas no sudeste do Pará, na região de Paragominas e possui uma jazida de bauxita nos municípios de Cataguases e Itamarati de Minas, MG. Em 2007 será iniciada a exploração da jazida de Miraí, também no sudeste mineiro, que terá capacidade de produção de até quatro milhões de toneladas de bauxita.

Energia

A transformação da bauxita é feita por um processo de eletrólise e o consumo de energia elétrica corresponde a um terço de todos os custos de produção. Em 1954, a CBA iniciou a construção da primeira Usina Hidrelétrica, a UHE França, e desde então os investimentos em energia não pararam.

Nesses mais de 50 anos, a Empresa soube também crescer no mercado interno e externo. Com escritórios de distribuição em todo o Brasil, a CBA está presente em 14 cidades de dez estados brasileiros com 260 funcionários e 60 representantes comerciais. Suas filiais operam com 13 mil clientes e comercializam um terço do faturamento da CBA.

As práticas de gestão adotadas atualmente garantem o reinvestimento de seus lucros para melhoria da qualidade de seus produtos, no aprimoramento dos processos e no incremento da produtividade.